precificar produtos

Em um cenário onde existem muitos sellers, nome dado a quem vende no marketplace, concorrendo pela atenção do consumidor, alguns aspectos devem ser levados em consideração para chamar a atenção do cliente. O preço é um desses aspectos, mas é preciso cuidado. Existem erros comuns na precificação no marketplace que devem ser evitados para que sua loja aproveite todos os benefícios desta plataforma.

Listamos alguns deles nesse post, confira:

 

1 – Não acompanhar as movimentações da concorrência

Ao monitorar a forma como a concorrência tem precificado seus produtos no marketplace, é possível observar oportunidades para melhorar margens ou ainda entender em que momentos será preciso reduzir o preço praticado por cada produto para se manter competitivo. Olhar para a concorrência é vital para entender se seu preço está atrativo ou não.

 

2 – Se basear apenas na concorrência

Por outro lado, cada seller deve entender quais são seus limites e qual deve ser o preço mínimo praticado para o produto. Por exemplo, se a loja está vendendo o Item a R$ 50,00, e você tem como valor mínimo R$ 60,00, vale perder esses R$ 10,00 de margem?

No médio e longo prazo isso pode comprometer a sustentabilidade do negócio. Analisar e compreender o que a concorrência tem feito é fundamental, mas brigar com ela, comprometendo a saúde financeira da sua empresa, não é indicado.

 

3 – Perder margens

É comum o seller chegar a um valor e tratá-lo como ideal. Afinal, ele o ajuda a ficar em destaque no site (buy box). Mas, ao não olhar a concorrência, ele deixa de notar que pode aumentar o valor praticado pelo produto e continuar tendo o preço mais atrativo.

Por exemplo, o seller comercializa o item a R$ 100,00 e o concorrentes com preço mais próximo vende o item a R$ 150,00. Nesse caso, existe um grande espaço para crescimento de margem. O seller poderia subir seu valor para R$ 130,00 ou R$ 140,00 e aumentar os ganhos com o produto.

 

4 – Analisar o preço sem olhar para o frete

Embora sejam coisas diferentes, o frete é um complemento do decisor de compra, e o consumidor realiza a soma dos dois fatores para entender o custo final da mercadoria. Imagine o seguinte cenário:

 

  • Seller A

 

Preço: R$ 100,00

 

  • Seller B

 

Preço: R$ 85,00

Analisando apenas o preço, o Seller B apresenta o melhor preço.

Agora, ao apresentar preço e frete, o cenário muda:

 

  • Seller A

 

Preço: R$ 100,00

Frete: R$ 5,00

Total: R$ 115,00

 

  • Seller B

 

Preço: R$ 85,00

Frete: R$ 29,00

Total: R$ 114,00

Fora o fato do Seller A entregar em um prazo menor. Nesse caso, vale a pena reduzir o preço? Talvez não, e é por isso que é preciso olhar também para o frete.

 

5 – Acreditar que a análise de preço pode ser feita manualmente

Existem produtos que vão apresentar pouca competição ou ainda serão vendidos exclusivamente por determinado seller. Por outro lado, existem os itens com grande concorrência, onde vários lojistas estarão competindo entre si. Por isso, é preciso utilizar uma plataforma que permita acompanhar esses concorrentes de forma otimizada e automatizada, garantindo que o gestor tenha as informações necessárias para modificar seus preços no momento mais estratégico.

Caso tenha dúvida sobre como precificar seus produtos no marketplace, a Sieve lançou o Guia Essencial da Precificação no Marketplace.


Compartilhe essa postagem

5 erros comuns ao precificar produtos no marketplace

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *