Por que as plataformas de análise de preços são vitais para o varejo online?

Plataforma Inteligência Competitiva SieveNão é novidade para ninguém que o mercado de e-commerce brasileiro vem crescendo em faturamento e transações, e devido a este cenário positivo, é natural o surgimento de diversas novas lojas online. O período de 2013 a 2014 representa o momento da criação de 41% das empresas entrevistadas – segundo a Primeira Pesquisa Nacional de Varejo Online, produzida pelo SEBRAE e E-commerce Brasil. Ao estendermos esse período para a partir de 2011, observa-se que o número chega a 70%.

Ainda de acordo com este estudo, podemos observar que a média de investimentos em marketing representa, aproximadamente, 15% dos seus faturamentos, mas apesar desta parte ser destinada ao desenvolvimento comercial das empresas, ainda vemos uma alta desistência nos carrinhos de compra (cerca de 60% não tem venda efetuada).

Segundo o SEBRAE, entre os 7 principais desafios apontados pelos varejistas que criaram seus negócios antes de 2005, a formação de preço, ou precificação, foi citada como um dos pontos delicados. Sabemos que isto não deixa de ser uma preocupação hoje em dia, visto que estamos na era da informação e a qualquer momento um consumidor pode acessar seu smartphone, pesquisando o preço de um produto e verificando se ele está adequado.

O que podemos perceber é que hoje temos consumidores muito mais experientes e exigentes. Os webshoppers estão munidos de plataformas que os farão chegar o mais rápido possível ao produto que querem comprar, dentro de seus próprios requisitos – preço, confiabilidade da loja, prazo de entrega, frete grátis etc.

Nas tradicionais teorias de marketing – como sugerido por McCarthy – o Composto de Marketing básico envolve 4Ps: Produto, Preço, Praça e Promoção. Subentende-se desta forma que o investimento em marketing deveria ir muito além das simples campanhas publicitárias que vemos sendo feitas pela grande maioria dos e-commerces.

Observando o cenário em que somam-se os fatos de diversos players surgirem todos os anos, menos de 60% dos varejistas operarem com lucro, a média de conversões não passar de 1,5% e aproximadamente 60% dos consumidores terem sua compra diretamente influenciada pelo preço, a análise e estratégia de preço de uma empresa não pode ser deixada em segundo plano.

Baseado nesta demanda latente, em 2010 o mercado de monitoramento de preços, inteligência competitiva e pricing voltado ao e-commerce deu seu pontapé inicial no Brasil. Os varejistas naquele momento tiveram a oportunidade de acompanhar cada movimento dos seus concorrentes 24 horas por dia. Neste modelo, encontram-se inúmeras oportunidades de otimização de margens e de administração de portfolios.

Em pouco tempo, este tipo de análise tornou-se fundamental aos e-commerces, pois fornece insights valiosos para gerar melhores tomadas de decisão, além de automatizar processos, eliminar riscos de erros humanos e aplicar corretamente as estratégias de preço.